Resultados da Pesquisa sobre a saúde, atuação e condições de trabalho do fonoaudiólogo durante a Pandemia

A interpretação dos resultados deve considerar a baixa adesão.

Em resposta à solicitação do Conselho Estadual de Saúde (Ofício GS-CES/SP nº 050/2020) e preocupados com a saúde e a atuação do fonoaudiólogo durante a Pandemia no novo Coronavírus, o Crefono 2 elaborou algumas perguntas sobre saúde, atuação e condições de trabalho dos fonoaudiólogos do Estado de São Paulo para os profissionais responderem.

O Ofício do CES solicitava informações quanto ao uso de EPIs, número de casos de adoecimento e de óbitos em razão da COVID-19. O Conselho achou pertinente ampliar a consulta para verificar a modalidade do atendimento, setor de atuação, o tipo,  a identificação  e o município do local de trabalho e a disponibilidade de equipamentos de proteção individual e de higienização das mãos. Também foram feitas perguntas sobre a saúde dos profissionais: se são grupos de risco e, caso sim, se foram realocados de função; se o profissional já foi infectado pelo novo Coronavírus, bem como o número de infectados e óbitos por COVID-19 no seu local de trabalho.

As questões foram enviadas por mailing aos 13.250 fonoaudiólogos ativos e inscritos no Crefono 2 e divulgadas nos veículos de comunicação oficiais do Conselho, site e redes sociais.  Das 3.482 respostas obtidas, 3.391 foram de fonoaudiólogos do Estado de São Paulo, portanto apenas 25% do total de inscritos.  Nesse sentido, a interpretação do resultado deve considerar a baixa adesão.

Modalidade de atendimento                                  

Quanto à modalidade de atendimento, 57,9%  das respostas foram assinaladas como presencial, 37,9% teleatendimento, 15,6% informaram que não estão trabalhando e 15,2% trabalhando em home Office.


Setor de atuação e local de trabalho


A maioria dos fonoaudiólogos informou que atua no setor privado (73,8%) . Em relação ao tipo de local de trabalho metade da amostra assinalou clínicas/consultórios.

 

EPIs

Foi solicitada a resposta apenas dos profissionais que realizam atendimento presencial. No entanto, observamos respostas de profissionais que tem atuado em outras modalidades de atendimento. De forma geral, pudemos elencar que 27 profissionais não responderam à essa questão. Nesse sentido, o Conselho irá averiguar e atualizar a situação para tomada de medidas cabíveis.

Em relação à adequação dos tipos de EPIs para as diversas situações de trabalho, seria necessária uma pesquisa mais detalhada e com mais filtros quanto aos procedimentos realizados e vínculos empregatícios. De qualquer forma, salientamos que 90% respondeu que possuem luvas e 74,5% máscaras cirúrgicas. Sobre a higienização das mãos, a amostra demonstrou que 91,9% têm disponível pia e sabão e 97,3%  álcool 70% .

Saúde dos Fonoaudiólogos

Entre as respostas, 815 fazem parte do grupo de risco e 214 foram desviados da função. 221 profissionais apresentaram suspeita de COVID-19, 183 foram afastados por suspeita do vírus.

52 fonoaudiólogos da amostra contraíram a doença e, até o momento da pesquisa, 9 faleceram de COVID-19.

 

 

 

 

 

Contato

  • (11) 3873-3788
  • info@fonosp.org.br

Localização

  • Rua Dr. Samuel Porto, 351 – 10º andar, cj. 101
  • Saúde, São Paulo - SP
  • CEP: 04054-010

Redes sociais