- Portaria nº 25, de 29.12.94, do Secretário de Segurança e Saúde no Trabalho DOU de 30.12.94, Republicada no de 15.02.95

 

Norma Regulamentadora – NR 9 – Riscos ambientais – Nova redação – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – Empregadores – Prazo de 180 dias para se adaptarem às novas exigências – NR 5 – CIPA, item 5.16, alínea “o” – Inclusão – NR 16 – Atividades e operações perigosas, item 16.8 – Inclusão – Portaria SSMT nº 12/83 (no que se refere às disposições da NR 9 – Riscos ambientais) e Portaria DNSST nº 17/92 – Revogação.

 

 

O Secretário de Segurança e Saúde no Trabalho, no uso de suas atribuições legais, e;

 

Considerando o disposto nos arts. 155 e 200, item VI , da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, com a redação dada pela Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1994;

 

Considerando que o Decreto nº 93.413, de 15 de outubro de 1986, determina que seja executada e cumprida a Convenção nº 148, da Organização Internacional do Trabalho – OIT, sobre a Proteção dos Trabalhadores Contra os Riscos Profissionais Devidos à contaminação do Ar, ao Ruído e às Vibrações no Local de Trabalho;

 

Considerando que o Decreto nº 1.254, de 29 de setembro de 1994, determina que seja cumprida a Convenção nº 155, da OIT, sobre Segurança e Saúde dos Trabalhadores e o Meio Ambiente de Trabalho;

 

Considerando o disposto no inciso XXII do art. 7º do Capítulo II do Título II da Constituição da República de 1988;

 

Considerando as conclusões do Grupo Técnico de Trabalho instituído para estudar a revisão da Norma Regulamentadora nº 9 – Riscos Ambientais, após análise das contribuições recebidas de toda a comunidade, objeto da Portaria SSST nº 11, de 13 de outubro de 1994, publicada no DOU, de 14 de outubro de 1994;

 

Considerando a necessidade de melhor orientar a adoção de medidas de controle dos Riscos Ambientais nos locais de trabalho;

 

Considerando a necessidade de inclusão da metodologia do Mapa de Riscos, na Norma Regulamentadora nº 5, à luz das posturas dos segmentos sociais, como instrumento de atuação direta dos trabalhadores no reconhecimento dos riscos nos ambientes de trabalho.

 

Resolve;

 

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora nº 9 – Riscos Ambientais, que passa a ter a seguinte redação:

 

NR-9 – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

 

9.1 – Do Objeto e Campo de Aplicação

 

 

 

9.1.1. – Esta Norma Regulamentadora – NR estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA, visando a preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e conseqüente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais.

 

9.1.2. – As ações do PPRA devem ser desenvolvidas no âmbito de cada estabelecimento da empresa, sob a responsabilidade de empregador, com a participação dos trabalhadores, sendo sua abrangência e profundidade dependentes das características dos riscos e das necessidades de controle.

 

9.1.2.1. – Quando não forem identificados riscos ambientais nas fases de antecipação ou reconhecimento, descritas nos itens 9.3.2. e 9.3.3., o PPRA poderá resumir-se às etapas previstas nas alíneas “a” e “f” do subitem 9.3.1.

 

9.1.3. – O PRRA é parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da empresa no campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, devendo estar articulado com o disposto nas demais NR, em especial com o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO previsto na NR-7.

 

9.1.4. – Esta NR estabelece os parâmetros mínimos e diretrizes gerais a serem observados na execução do PPRA, podendo os mesmos ser ampliados mediante negociação coletiva de trabalho.

 

9.1.5. – Para efeito desta NR consideram-se riscos ambientais os agentes físicos, químicos e biológicos existentes nos ambientes de trabalho que, em função de sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição, são capazes de causar danos à saúde do trabalhador.

 

9.1.5.1. – Consideram-se agentes físicos as diversas formas de energia a que possam estar expostos os trabalhadores, tais como ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações ionizantes, radiações não ionizantes, bem como o infra-som e o ultra-som.

 

9.1.5.2. – Consideram-se agentes químicos as substâncias, compostas ou produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória, nas formas de poeiras, fumos, nevoas, neblimas, gases ou vapores, ou que pela natureza da atividade de exposição, possam ter contato ou ser absorvidos pelo organismo através da pele ou por ingestão.

 

9.1.5.3. – Consideram-se agentes biológicos as bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoários, vírus, entre outros.

 

9.2. – Da Estrutura do PPRA

 

9.2.1. – O Programa de Prevenção de Riscos Ambientais deve conter, no mínimo, a seguinte estrutura:

 

 

 

 

 

 

 

a) planejamento anual com estabelecimento de metas, prioridade e cronograma;

 

b) estratégia e metodologia de ação;

 

c) forma do registro, manutenção e divulgação dos dados;

 

d) periodicidade e forma de avaliação do desenvolvimento do PPRA.

 

9.2.1.1. – Deverá ser efetuada, sempre que necessário e pelo menos uma vez ao ano, uma análise global do PPRA para avaliação do seu desenvolvimento e realização dos ajustes necessários e estabelecimento de novas metas e prioridades.

 

9.2.2. – O PPRA deverá estar descrito num documento-base contendo todos os aspectos estruturais constantes do item 9.2.1.

 

9.2.2.1. – O documento-base e suas alterações e complementações deverão ser apresentados e discutidos na CIPA, quando existente na empresa, de acordo com a NR-5, sendo sua cópia anexada ao livro de atas desta Comissão.

 

9.2.2.2. – O documento-base e suas alterações deverão estar disponíveis de modo a proporcionar o imediato acesso às autoridades competentes.

 

9.2.3. – O cronograma previsto no item 9.2.1. deverá indicar claramente os prazos para o desenvolvimento das etapas e cumprimento das metas do PPRA.

 

9.3. – Do Desenvolvimento do PPRA

 

9.3.1. – O Programa de Prevenção de Riscos Ambientais deverá incluir as seguintes etapas:

 

a) antecipação e reconhecimento dos riscos;

 

b) estabelecimento de prioridades e metas de avaliação e controle;

 

c) avaliação dos riscos e da exposição dos trabalhadores;

 

d) implantação de medidas de controle e avaliação de sua eficácia;

 

e) monitoramento da exposição aos riscos;

 

f) registro e divulgação dos dados.

 

9.3.1.1. – A elaboração, implementação, acompanhamento e avaliação do PPRA poderão ser feitas pelo Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho – SESMT ou por pessoa ou equipe de pessoas que, a critério do empregador, sejam capazes de desenvolver o disposto nesta NR.

 

9.3.2. – A antecipação deverá envolver a análise de projetos de novas instalações, métodos ou processos de trabalho, ou de modificação dos já existentes, visando identificar os riscos potenciais e introduzir medidas de proteção para sua redução ou eliminação.

 

9.3.3. – O reconhecimento dos riscos ambientais deverá conter os seguintes itens, quando aplicáveis:

 

 

 

 

 

 

 

a) a sua identificação;

 

b) a determinação e localização das possíveis geradoras;

 

c) a identificação das possíveis trajetórias e dos meios de propagação dos agentes no ambiente de trabalho;

 

d) a identificação das funções e determinação do número de trabalhadores expostos;

 

e) a caracterização das atividades e do tipo da exposição;

 

f) a obtenção de dados existentes na empresa, indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do trabalho;

 

g) os possíveis danos à saúde relacionados aos riscos identificados, disponíveis na literatura técnica;

 

h) a descrição das medidas de controle já existentes.

 

9.3.4. – A avaliação quantitativa deverá ser realizada sempre que necessária para:

 

a) comprovar o controle da exposição ou a inexistência dos riscos identificados na etapa de reconhecimento;

 

b) dimensionar a exposição dos trabalhadores;

 

c) subsidiar o equacionamento das medidas de controle;

 

9.3.5. – Das medidas de controle

 

9.3.5.1. – Deverão ser adotadas as medidas necessárias e suficientes para a eliminação, a minimização ou o controle dos riscos ambientais sempre que forem verificadas uma ou mais das seguintes situações:

 

a) identificação, na fase de antecipação, de risco potencial à saúde;

 

b) constatação, na fase de reconhecimento, de risco evidente à saúde;

 

c) quando os resultados das avaliações quantitativas da exposição dos trabalhadores excederem os valores dos limites previstos na NR-15 ou, na ausência destes, os valores de limites de exposição ocupacional adotados pela ACGIH – American Conference of Governmental Industrial Hygienists, ou aqueles que venham a ser estabelecidos em negociação coletiva de trabalho, desde que mais rigorosos do que os critérios técnico-legais estabelecidos;

 

d) quando, através do controle médico da saúde, ficar caracterizado o nexo causal entre danos observados na saúde dos trabalhadores e a situação de trabalho a que eles ficam expostos.

 

9.3.5.2. – O estudo, desenvolvimento e implantação de medidas de proteção coletiva deverá obedecer a seguinte hierarquia:

 

 

 

 

 

 

 

a) medidas que eliminam ou reduzem a utilização ou a formação de agentes prejudiciais à saúde;

 

b) medidas que previnam a liberação ou disseminação desses agentes no ambiente de trabalho;

 

c) medidas que reduzam os níveis ou a concentração desses agentes no ambiente de trabalho.

 

9.3.5.3. – A implantação de medidas de caráter coletivo deverá ser acompanhada de treinamento dos trabalhadores quanto aos procedimentos que assegurem a sua eficiência e de informação sobre as eventuais limitações de proteção que ofereçam.

 

9.3.5.4. – Quando comprovado pelo empregador ou instituição a inviabilidade técnica da adoção de medidas de proteção coletiva, ou quando estas não forem suficientes ou encontrarem-se em fase de estudo, planejamento ou implantação, ou ainda em caráter complementar ou emergencial, deverão ser adotadas outras medidas, obedecendo-se a seguinte hierarquia:

 

a) medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho;

 

b) utilização de Equipamento de Proteção Individual – EPI

 

9.3.5.5. – A utilização do EPI no âmbito do programa deverá considerar as normas legais e administrativas em vigor e envolver, no mínimo:

 

a) seleção do EPI adequado tecnicamente ao risco a que o trabalhador está exposto e a atividade exercida, considerando-se a eficiência necessária para o controle da exposição ao risco e o conforto oferecido segundo avaliação do trabalhador usuário;

 

b) programa de treinamento dos trabalhadores quanto a sua correta utilização e orientação sobre as limitações de proteção que o EPI oferece;

 

c) estabelecimento de normas ou procedimentos para promover o fornecimento, o uso, a guarda, a higienização, a conservação, a manutenção e a reposição do EPI, visando garantir as condições de proteção originalmente estabelecidas;

 

d) caracterização das funções ou atividades dos trabalhadores, com a respectiva identificação dos EPI’s utilizados para os riscos ambientais.

 

9.3.5.6. – O PPRA deve estabelecer critérios e mecanismos de avaliação da eficácia das medidas de proteção implantadas considerando os dados obtidos nas avaliações realizadas e no controle médico da saúde previsto na NR-7.

 

9.3.6. – Do nível de ação

 

9.3.6.1. – Para os fins desta NR considera-se nível de ação o valor acima do qual devem ser iniciadas ações preventivas de forma a minimizar a probabilidade de que as exposições a agentes ambientais ultrapassem os limites de exposição. As ações devem

 

 

 

 

 

incluir o monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico.

 

9.3.6.2. – Deverão ser objeto de controle sistemático as situações que apresentem exposição ocupacional acima dos níveis de ação, conforme indicado nas alíneas que seguem:

 

a) para agentes químicos, a metade dos limites de exposição ocupacional considerados de acordo com a alínea “c” do subitem 9.3.5.1;

 

b) para o ruído, a dose de 0,5 (dose superior a 50%), conforme critério estabelecido na NR-15, Anexo nº 1, item 6.

 

9.3.7. – Do monitoramento

 

9.3.7.1. – Para o monitoramento da exposição dos trabalhadores e das medidas de controle, deve ser realizada uma avaliação sistemática e repetitiva da exposição a um dado risco, visando a introdução ou modificação das medidas de controle, sempre que necessários.

 

9.3.8. - Do registro de dados

 

9.3.8.1. – Deverá ser mantido pelo empregador ou instituição um registro de dados, estruturado de forma a constituir um histórico técnico e administrativo do desenvolvimento do PPRA.

 

9.3.8.2. – Os dados deverão ser mantidos por um período mínimo de 20 anos.

 

9.3.8.3. – O registro de dados deverá estar sempre disponíveis aos trabalhadores interessados ou seus representantes e para as autoridades competentes.

 

9.4. – Das Responsabilidades

 

9.4.1. – Do empregador

 

I – estabelecer, implementar e assegurar o cumprimento do PPRA, como atividade permanente da empresa ou instituição.

 

9.4.2. – Dos trabalhadores

 

I – colaborar e participar na implantação e execução do PPRA;

 

II – seguir as orientações recebidas nos treinamentos oferecidos dentro do PPRA;

 

III – Informar ao seu superior hierárquico direto ocorrências que, a seu julgamento, possam implicar riscos à saúde dos trabalhadores.

 

9.5. – Da informação

 

9.5.1. – Os trabalhadores interessados terão o direito de apresentar propostas e receber informações e orientações a fim de assegurar a proteção aos riscos ambientais identificados na execução do PPRA.

 

9.5.2. – Os empregadores deverão informar os trabalhadores de maneira apropriada e suficiente sobre os riscos ambientais que possam originar-se nos locais de trabalho e sobre os meios disponíveis para prevenir ou limitar tais riscos e para proteger-se dos mesmos.

 

9.6. – Das Disposições Finais

 

9.6.1. – Sempre que vários empregadores realizem simultaneamente atividades no mesmo local de trabalho terão o dever de executar ações integradas para aplicar as medidas previstas no PPRA visando a proteção de todos os trabalhadores expostos aos riscos ambientais gerados.

 

9.6.2. – O conhecimento e a percepção que os trabalhadores têm do processo de trabalho e dos riscos ambientais presentes, incluindo os dados consignados no Mapa de Riscos, previsto na NR-5, deverão ser considerados para fins de planejamento e execução do PPRA em todas as suas fases.

 

9.6.3. – O empregador deverá garantir que, na ocorrência de riscos ambientais nos locais de trabalho que coloquem em situação de grave e iminente risco um ou mais trabalhadores, os mesmos possam interromper de imediato as suas atividades, comunicando o fato ao superior hierárquico direto para as devidas providências.

 

Art. 2º - Incluir na Norma Regulamentadora nº 5, item 5.16. alínea “o”, com a seguinte redação:

 

“5.16 – A CIPA terá as seguintes atribuições:

 

..........................................................................

 

o) elaborar, ouvidos os trabalhadores de todos os setores do estabelecimento e com a colaboração do SESMT, quando houver, o Mapa de Riscos, com base nas orientações constantes no Anexo IV, devendo o mesmo ser refeito a cada gestão da CIPA.”

 

Parágrafo Único – As orientações quanto à elaboração do referido Mapa de Riscos, a serem incluídas na NR-5, passam a fazer parte da presente Portaria, como Anexo.

 

Art. 3º - Incluir na Norma Regulamentadora nº 16 o item 16.8, com a seguinte redação:

 

“16.8 – Todas as áreas de risco previstas nesta NR devem ser delimitadas, sob responsabilidade do empregador.

 

Art. 4º - Os empregadores terão 180 (cento e oitenta) dias para se adaptarem às novas exigências introduzidas na Norma Regulamentadora nº 9 e apresentar o PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – inicial.

 

Art. 5º - s dúvidas suscitadas e os casos omissos serão dirimidos pela Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho, do Ministério do Trabalho.

 

Art. 6º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

 

Art. 7º - Revogam-se as disposições em contrário, em especial as Portarias SSMT nº 12, de 06 de junho de 1983, no que se refere às disposições da NR-9 – Riscos Ambientais, e a Portaria DNSST nº 5, de 17 de agosto de 1992.

 

Jófilo Moreira Lima Júnior



 

 

ANEXO IV – MAPA DE RISCOS

 

 

 

1. O Mapa de Riscos tem como objetivos:

 

a) reunir as informações necessárias para estabelecer o diagnóstico da situação de segurança e saúde no trabalhador na empresa;

 

b) possibilitar, durante a sua elaboração, a troca e divulgação de informações entre os trabalhadores, bem como estimular sua participação nas atividades de prevenção.

 

2. Etapas de elaboração

 

a) conhecer o processo de trabalho no local analisado:

 

- os trabalhadores: número sexo, idade, treinamento profissional e de segurança e saúde;

 

- os instrumentos e materiais de trabalho;

 

- as atividades exercidas;

 

- o ambiente.

 

b) identificar os riscos existentes no local analisado, conforme a classificação da Tabela;

 

c) identificar as medidas preventivas existentes e sua eficácia:

 

- medidas de proteção coletiva;

 

- medidas de organização do trabalho;

 

- medidas de proteção individual;

 

- medidas de higiene e conforto: banheiro, lavatórios, vestiários, armários, bebedouro, refeitório.

 

d) identificar os indicadores de saúde:

 

- queixas mais freqüentes e comuns entre os trabalhadores expostos aos mesmos riscos;

 

- acidentes de trabalho ocorridos;

 

- doenças profissionais diagnosticadas;

 

- causas mais freqüentes de ausência ao trabalho:

 

e) conhecer os levantamentos ambientais já realizados no local;

 

f) elaborar o Mapa de Riscos, sobre o layout da empresa, indicando através de círculo:

 

- o grupo a que pertence o risco, de acordo com a cor padronizada na Tabela I;

 

- o número de trabalhadores expostos ao risco, o qual deve ser anotado dentro do círculo;

 

- a especificação do agente (por exemplo: químico – sílica, hexano, ácido clorídrico; ou ergonômico – repetitividade, ritmo excessivo), que deve ser anotada também dentro do círculo;

 

- a intensidade do risco, de acordo com a percepção dos trabalhadores, que deve ser representada por tamanhos diferentes de círculos.

 

3. Após discutido e aprovado pela CIPA, o Mapa de Riscos, completo ou setorial, deverá ser afixado em cada local analisado, de forma claramente visível e de fácil acesso para os trabalhadores.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

4. No caso das empresas da indústria da construção, o Mapa de Riscos do estabelecimento deverá ser realizado por etapa de execção dos serviços, devendo ser revisto sempre que um fato novo e superveniente modificar a situação de riscos estabelecida.

 

 

 

TABELA (Anexo IV)

 

CLASSIFICAÇÃO DOS PRINCIPAIS RISCOS OCUPACIONAIS EM GRUPOS, DE ARCORDO COM A SUA NATUREZA E A PADRONIZAÇÃO DAS CORES CORRESPONDENTES.

 

 

 


Grupo 1


Verde


Grupo 2


Vermelho


Grupo 3


Marrom


Grupo 4


Amarelo


Grupo 5


Azul


Riscos


Físicos


Riscos


Químicos


Riscos Biológicos


Riscos Ergonômicos


Riscos de Acidentes


Ruídos


Poeiras


Vírus


Esforço físico intenso


Arranjo físico inadequado


Vibrações


Fumos


Bactérias


Levantamento e transporte manual de peso


Máquinas e equipamentos sem proteção


Radiações ionizantes


Névoas


Protozoários


Exigência de postura inadequada


Ferramentas inadequadas ou defeituosas


Radiações não ionizantes


Neblinas


Fungos


Controle rígido de produtividade


Iluminação inadequada


Frio


Gases


Parasitas


Imposição de ritmos excessivos


Eletricidade


Calor


Vapores


Bacilos


Trabalho em turno noturno


Probabilidade de incêndio ou explosão


Pressões anormais


Substâncias, compostos ou produtos químicos em geral


-


Jornada de trabalho


Armazenamento inadequado


Umidade


-


-


 


Animais peçonhentos


Outras situações de risco que poderão contribuir para a ocorrência de acidentes

 

 

 

 

 

Texto extraído do Bol. 8/95 - IOB

Contato

  • (11) 3873-3788
  • info@fonosp.org.br

Localização

  • Rua Dr. Samuel Porto, 351 – 10º andar, cj. 101
  • Saúde, São Paulo - SP
  • CEP: 04054-010

Redes sociais